Em consulta, TCE/PR define que valor máximo de licitação pode ser estipulado com base em banco de dados

Posted on Posted in ARTIGOS

por J. U. Jacoby Fernandes

Uma das mais importantes funções do Tribunal de Contas é responder consulta. Conforme destaco no livro Tribunais de Contas do Brasil – 4ª edição – Ed. Fórum, como regra, as máximas autoridades dispõem de órgão de consultoria jurídica e de controle interno que podem prestar o serviço especializado nessas áreas. Ocorre que, tendo em vista a especificidade da ação do controle externo e a complexidade da matéria, a prévia interpretação da norma ou da tese torna-se extremamente recomendável.

Em termos de eficiência da Administração Pública, nada melhor para aqueles que lidam com finanças públicas que ter previamente a interpretação do órgão de controle externo. Desse modo, a ação preventiva resultante tem mais largo alcance, porque o controle orientador é muito mais eficiente que o repressivo.

É de fundamental importância que a matéria versada esteja inserida no amplo espectro de competências dos tribunais de contas, sob pena de desvirtuar o instituto da consulta. Exatamente para evitar o possível desvirtuamento da consulta é que é preciso efetivar os princípios da segregação das funções entre controle e administração, bem como do devido processo legal. A consulta deve versar sobre dúvida na aplicação de normas, e não no caso concreto.

O instituto da consulta foi utilizado recentemente por um município do interior paranaense ao Tribunal de Contas do Estado do Paraná – TCE/PR em relação à fixação de preço máximo de licitação. A Corte de Contas estadual, assim, pontuou que é possível a utilização do método de formação de preço máximo de licitação por meio de consulta a banco de dados, em atendimento ao princípio da economicidade, pois ele reflete a busca pelo negócio mais vantajoso para a administração.

São cabíveis como fonte de consulta o portal de compras governamentais (www.comprasgovernamentais.gov.br); os editais de licitações e contratos similares firmados anteriormente pelo próprio órgão; as atas de registros de preços da administração pública; as publicações especializadas; as cotações de fornecedores em potencial; e os sites especializados, desde que de amplo acesso, fazendo constar a data e o horário da consulta.

Ainda na consulta, a Corte de Contas destacou que é obrigação do administrador publicar os orçamentos estimativos como anexos dos editais de licitação. Afirmou, ainda, que é recomendável “que o preço máximo fixado do certame não seja inferior ao valor estimado da contratação, para que o objeto não seja inexequível”.

O relator do processo, conselheiro Fernando Guimarães, lembrou que a pesquisa de preços de mercado ocorre antes da abertura da licitação, já que seu intuito é a verificação de existência de recursos suficientes para a cobertura das despesas decorrentes do certame. Ele frisou que a formação de preço máximo por meio de banco de dados está de acordo com os princípios estabelecidos na Lei nº 8.666/93.

Os conselheiros do TCE/PR aprovaram por unanimidade o voto do relator.

1 Valor máximo de licitação pode ser estipulado com base em banco de dados. Portal TCE/PR. Disponível em: <http://www1.tce.pr.gov.br/noticias/valor-maximo-de-licitacao-pode-ser-estipulado-com-base-em-banco-de-dados/5611/N>. Acesso em: 26 dez. 2017.